Times integrados trabalham melhor

Você já deve ter brincado de telefone sem fio, certo? Aquela brincadeira de cochichar no ouvido de alguém uma palavra que vai circulando em toda a roda, até o último integrante falar em voz alta algo bem diferente da mensagem inicial, pode ser uma boa metáfora para o que acontece em muitas empresas. A falta de comunicação, colaboração e planejamento faz com que muitos times trabalhem como máquinas independentes e não como membros de um todo.

A integração e o senso de comunidade podem e devem ser partes do culture code de uma empresa, tornando os objetivos comuns mais fortes e a estratégia aliada mais efetiva. 

[Culture Code: conheça o perfil de uma boa empresa para se trabalhar]

Veja algumas formas de deixar os squads mais próximos:

Transparência

O que realmente é importante para o próximo quarter? Qual a intenção de faturamento anual? Quais são as grandes objeções e desafios de uma entrega? Quando alinhamos, com transparência e abertura o que de fato importa, os integrantes de cada time podem, juntos,  construir uma operação mais sólida. 

Energia no que interessa

Escolher as batalhas macro e micro é uma medida essencial para quem quer foco e coerência com o time. As OKRs, por exemplo, que começam com grandes objetivos e desdobram até os KPIs são forças conjuntas que dão direção coletiva aos colaboradores. 

[Veja: Metodologia OKR: o que é e como aplicar?]

Dar o recado 

Para novos e velhos funcionários, os momentos de imersão e reciclagem são chances de internalizar a cultura e os objetivos da empresa. Na FCamara, por exemplo, todos os meses, os novos funcionários têm um encontro com o CEO, Fabio Camara, para serem apresentados à empresa e aos valores reais que acreditamos. Independente do tamanho da empresa ou número de colaboradores, ter contato com os ideais e, se possível, com os idealizadores, é uma forma de integrar e motivar equipes. 

Times diversos

Ter times com perfis muito parecidos pode motivar as clássicas “panelinhas” no ambiente de trabalho. Trazer mais diversidade e pluralidade aos times é uma estratégia pertinente na hora de compartilhar a estratégia. Por exemplo: que tal aquele redator de UX sentar próximo ao desenvolvedor do projeto? Ou, quem sabe, o atendimento do sprint ter um lugar cativo próximo ao designer? Ter mentes pensantes de formas diferentes e até mesmo opostas nas micro entregas pode proporcionar uma entrega macro mais rica e integrada. 

[Acesso no post sobre | Diversidade é estratégia]

Times integrados performam melhor, são mais colaborativos e tendem a possibilitar um ambiente de trabalho mais confortável. E antes de pensar em uma reconstrução de perfil de empresa, que tal refletir sobre o seu time? Entre as pessoas que você gerencia, como pode deixar esta mini-comunidade mais integrada? 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *