Pix e Open Banking: como os sistemas se relacionam?

pix e open banking

O Pix e Open Banking são assuntos cada vez mais comuns. Enquanto os pagamentos instantâneos tenham dominado o mercado financeiro em pouco tempo, o Open Banking ainda parece um termo obscuro para a população em geral, causando bastante confusões e até dúvidas se são as mesmas coisas.

Continue lendo e entenda como o Pix e Open Banking se relacionam e o que isso significa para o futuro dos meios de pagamento no varejo!

O que é o Pix?

O Pix é um sistema de pagamentos instantâneos desenvolvido e mantido pelo Banco Central do Brasil. Através desse sistema, é possível fazer pagamentos através do celular, sem precisar saber onde a outra pessoa tem conta, basta, por exemplo, saber seu número de celular, e-mail, CPF/CNPJ ou sua chave aleatória — esses dados são chamados de Chaves Pix.

Através do Pix, as transações são concluídas em 10 segundos, com recursos disponíveis para o recebedor em tempo real. Além disso, o sistema está disponível 24 horas todos os dias, até em feriados.

Ademais, é um dos grandes vetores na inclusão financeira, uma vez que é gratuito para pessoas físicas, é simples de usar, seguro, versátil e permite pagamentos entre instituições distintas.

Principais características do Pix

  • É um sistema de pagamento instantâneo criado pelo Banco Central;
  • Confirmação de pagamento em menos de 10 segundos;
  • Disponível 24 horas por dia, todos os dias do ano;
  • Gratuito para pessoas físicas e pequenos negócios;
  • Uso de chaves, como CNPJ/CPF ou e-mail, em vez de dados de conta e agência;
  • Promove inclusão financeira, eletronização do mercado de pagamento e aprimorar a experiência dos clientes.

O que é Open Banking?

O Open Banking surge a partir do conceito de que os dados do usuário são de sua propriedade, não das instituições financeiras. Assim, o Open Banking traz um conjunto de regras e tecnologias que permita o compartilhamento de dados e serviços de clientes entre as instituições através da integração de sistemas (ou APIs).

O Reino Unido foi o primeiro país a começar a implementação do Open Banking, em 2018. Outros países também estão analisando sua adoção, como Estados Unidos, Canadá e Russia.

Principais características do Open Banking

  • É um conjunto de regras e tecnologias que permitem o compartilhamento de dados de usuários entre instituições financeiras;
  • Não é um novo site ou aplicativo, na verdade, usuários poderão solicitar o compartilhamento através de aplicativos existentes de suas respectivas instituições;
  • Parte do princípio de que os dados dos usuários são de sua propriedade;
  • Obter consentimento do usuário para suas compartilhar informações é obrigatório;
  • A livre e fácil circulação desses dados permite que novos serviços e produtos surjam;
  • Não é um conceito exclusivo do Brasil, sendo o Reino Unido o país pioneiro na implementação do Open Banking;

Pix e Open Banking são a mesma coisa?

Nesse ponto, é possível perceber que Pix e Open Banking são dois sistemas completamente diferentes. Enquanto um é um meio de pagamento, o outro estabelece um ecossistema para compartilhamento de dados e segurança.

Em ambos os casos, entretanto, temos algo em comum bastante importante: o Pix e Open Banking são duas tecnologias fundamentais para a evolução do sistema financeiro como um todo.

Através desses dois sistemas, diversas tecnologias e negócios podem surgir e/ou serem acelerados. Por exemplo, o Pix está sendo um grande vetor no crescimento e facilitação dos pagamentos tanto nos ambientes físicos quanto digitais. Enquanto isso, o Open Banking permitirá que novos negócios surjam, como as fintechs de pagamentos e de crédito.

Outro impacto em comum do Pix e Open Banking é a democratização do sistema financeiro e sua importância para aceleração da inclusão digital e financeira da população brasileira. Nos últimos dados, o Brasil possui mais de 34 milhões de desbancarizados, ou seja, pessoas que não possuem acesso a serviços básicos como conta corrente e cartões. Nesse sentido, os dois sistemas são cruciais para esses usuários sejam contemplados e inclusos na economia que está cada vez mais digital.

Iniciadores de pagamento: alavancando os benefícios de ambos os sistemas

Apesar de não haver tantos pontos de intersecção entre o Pix e Open Banking, uma vez que são sistemas complemente distintos tanto em forma quanto em objetivos, os dois podem se aliar para facilitar a vida dos usuários.

Essa união se dá pela figura dos iniciadores de pagamento. É através desses agentes que o Pix pode ser utilizado em conjunto com as vantagens do Open Banking, permitindo que uma plataforma inicie pagamentos em nome do usuário.

O que são iniciadores de pagamentos?

Os iniciadores de transações de pagamento (ITP) é um tipo de instituição de pagamentos, empresas reguladas pelo Banco Central para atuarem na viabilização de compra e venda e de movimentação de recursos.

Assim, os usuários podem enviar dinheiro para um contato, por exemplo, sem sair de um aplicativo de mensagens, de modo que o app — atuando como ITP — faça a transferência em seu nome. Contudo, o ITP não participação da liquidação financeira e não detém a conta financeira do pagador, tampouco pode conceder empréstimos e financiamentos.

Benefícios da integração do Pix e Open Banking

Anteriormente, esse tipo de arranjo era possível através de complexas relações e contratos de parceria entre as diversas instituições envolvidas. Geralmente, essas operações aconteciam exclusivamente para usuários que tivessem cartão de crédito ou débito dos emissores participantes.

Em suma, o atual modelo é confuso, complexo, extremamente caro e trabalhoso de manter — além de limitado.

O Pix e Open Banking muda completamente essa dinâmica. Enquanto o Open Banking traz o conjunto de regras e tecnologias que permitem que instituições de pagamento possam movimentar valores em nome dos usuários, agora também será possível realizar essas movimentações dentro do Pix.

Dessa maneira, tantos os usuários quanto as empresas terão benefícios como:

  • Processamento instantâneo das operações;
  • Menor custo;
  • Menor complexidade;
  • Maior abrangência de contas e métodos aceitos;
  • Melhor consistência e segurança em geral.

Desafios de implementação e oportunidades no horizonte

Cada vez mais a população se torna mais digitalizada, ainda que estamos longe de um cenário ideal. Por outro lado, a forte e rápida adoção do Pix pode apontar para um horizonte oportuno ao Open Banking no Brasil.

A rápida popularização do Pix pode indicar um mercado fértil para a revolução tecnológica promovida pelo Open Banking. Desse modo, um dos maiores desafios a serem enfrentados será a educação, uma vez que a população em geral ainda não entende a diferenciação entre o que é o Pix e Open Banking e, por isso, possuem desconfiança e receio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *