O que é o Pix e suas tecnologias?

o que é PIX?

Criado pelo Banco Central do Brasil (BC), o Pix é um meio de pagamentos instantâneos. Com ele, recursos podem ser transferidos entre contas em até 10 segundos, sem restrições de dias ou horários.

É uma forma de pagar e receber com mais praticidade, rapidez e segurança. O sistema pode ser usado através de uma conta corrente, poupança ou de pagamento pré-paga.

Ao passo que as transferências são realizadas a partir das Chaves Pix, que podem ser um e-mail, CPF/CNPJ, telefone ou mesmo uma chave aleatória. Em vez de digitar diversas informações sobre a conta de destino, com apenas a Chave Pix é possível fazer o pagamento. 

Outra facilidade é o pagamento via QR Code, um código bidimensional que permite o cliente escanear com sua câmera do celular e pagar pelo aplicativo do banco de escolha.

Vale destacar que os pagamentos instantâneos são gratuitos para pessoas físicas. Por isso, o Pix cresce cerca de 50% ao mês para os e-commerce, é o 2º meio de pagamento preferido dos brasileiros e já soma mais de R$ 1 trilhão em transações.Com mais de 88,5 milhões de chaves cadastradas no Pix, o novo meio de pagamento causou e ainda causa profundas mudanças no setor financeiro.

Os impactos do Pix no sistema de pagamentos

Nesse sentido, o sistema alavanca a competitividade e a eficiência do mercado. Por outro lado, também impulsionou ainda mais a necessidade de aprimorar a experiência dos clientes e a digitalização do mercado de pagamentos de varejo.

Devido ao baixo custo e flexibilidade de ser usado de diferentes tipos de contas, o Pix é uma das mais poderosas ferramentas de inclusão financeira atualmente – aliando-se ao Open Banking.

Em um país em que a renda média per capita é de R$ 995, pagar cerca de R$ 10 para transferência via TED exclui uma grande parcela da população. Daí a importância do Pix, além de outras características, como:

  • Rápido e disponível: pagamentos podem ser feitos em 10 segundos a qualquer hora e dia do ano;
  • Seguro e aberto: sistema robusto e com estrutura de ampla participação, oferecendo solo fértil para novos negócios surgirem;
  • Integrado e versátil: conciliação, multipropostas e automação fazem do Pix um meio de pagamento poderoso;
  • Barato e fácil: foco na experiência do usuário, gratuito para pessoas físicas e o menor custo para os demais casos.

Ao passo que os varejistas têm muito a ganhar com esse meio de pagamento, uma vez que oferece menores custos de aceitação e disponibilização imediata dos recursos. Além disso, é mais fácil realizar a conciliação de pagamentos e automatização de processos.

Sendo um sistema simples em ambos os lados, o checkout pode ser muito mais otimizado, aprimorando a experiência do cliente – o que se traduz em menores taxas de abandono de carrinho, por exemplo.

Por outro lado, o Pix também promove melhorias para o ecossistema de pagamentos como um todo, ao impulsionar a digitalização e maior competição. Por ter uma estrutura aberta e segura, oferece solo fértil para novas fintechs.

As tecnologias do Pix no Varejo

O sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central não para de evoluir. Lançado no final de 2020, o Pix teve adoção astronômica em pouco tempo e sua popularidade apenas aumentou com as novas tecnologias sendo lançadas, tais como:

Pix Saque

Ainda que a digitalização dos meios de pagamentos esteja intensa e, devido a pandemia, as compras online aumentaram, isso não significa o extermínio do dinheiro em espécie. Aliás, durante a pandemia houve um aumento de 8% para 24% do PIB da circulação do dinheiro em espécie, segundo estudo de 2020.

Nesse sentido, o Banco Central lançou os serviços Pix Saque e Pix Troco. O primeiro permite que o cliente possa sacar dinheiro em cédulas nos estabelecimentos credenciados.

Além de permitir um serviço extra para os comerciantes, o Pix Saque também poderá ser uma oportunidade de fidelização e atração de clientes aos estabelecimentos.

Pix Troco

Sendo um serviço complementar ao anterior, o Pix Troco permite realizar saques juntos às compras.

Por exemplo, a pessoa vai à padaria e gasta R$ 10,00. Contudo, lembra que também precisava sacar R$ 50. Assim, poderá solicitar ao caixa o saque junto à compra.

Em vez de 2 pagamentos  – um para a compra de R$ 10 e outro pelo Pix Saque -, o cliente pagará de uma só vez os R$ 60. Vale destacar que no extrato do cliente os valores serão discriminados separadamente.

Pix por aproximação

Anunciado mais recentemente, o Pix poderá ser utilizado para pagamentos por aproximação nas maquininhas de cartões credenciados. Ao passo que o BC também está estudando lançar um cartão físico com tecnologia de aproximação.

Segundo Roberto Neto, presidente do Banco Central, “basicamente em algum momento vai ter um cartão Pix. Você vai aproximar do seu celular, você vai transferir dinheiro online pro offline no cartão. Vai funcionar como um cartão de ônibus, uma tecnologia supersegura. Você vai poder usar o cartão no mundo offline, quando você voltar no mundo online, vai poder transferir seu saldo de volta”.

Pix cobrança

Sendo uma alternativa ao boleto bancário, o Pix Cobrança é um serviço destinado às pessoas jurídicas. Com essa função, é possível emitir QR Codes para realizar cobranças imediatas ou com vencimento futuro, com possibilidade de adicionar multa, juros e descontos.

Isso é possível através do QR Code Dinâmico ou Estático. A opção dinâmica são QR Codes de uso único e suas informações são alteradas conforme a necessidade da transação. Enquanto o QR Code Estático pode ser usado múltiplas vezes, uma vez que suas informações não se alteram.

Pix e Open Banking

O Pix e Open Banking não são sistemas similares ou excludentes. Na verdade, segundo o próprio BC, ambas tecnologias coexistirão, uma vez que cada uma possui finalidades distintas:

  • Open Banking: desburocratização dos serviços financeiros e compartilhamento de dados;
  • Pix: simplificação e aceleração dos meios de pagamentos.

Entretanto, há alguns impactos em comum que tanto Open Banking e Pix promovem:

  • Inclusão financeira;
  • Redução de custo;
  • Maior competitividade;
  • Inovação.

Iniciador de pagamentos 

Os iniciadores de pagamentos (ou PISP, na sigla em inglês) são responsáveis por comandar as transações em nome do cliente, conectando os usuários com sua conta bancária e a do destinatário. 

Assim, unindo o ecossistema do Open Banking e Pix, diferentes plataformas poderão oferecer a iniciação de pagamentos via Pix. Isso trará grandes benefícios para os usuários, como:

  • Menor custo;
  • Maior celeridade na confirmação de pagamento;
  • Simplificação do processo de pagamento (redução das etapas, uma vez que eliminará, por exemplo, a necessidade do cliente entrar no app do banco para fazer o pagamento).

Apesar da popularidade do Pix, ainda representa menos de 5% das transações nos e-commerces. A integração entre PISP e o arranjo de pagamentos poderá ser a peça que faltava para os pagamentos instantâneos penetrar no mercado virtual.

Saiba mais sobre meios de pagamentos:

NFTs

Pagamentos invisíveis

Banking as a service

Carteira digital

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *