As healthtechs e a revolução na Saúde

A relação entre médico e paciente é estrutural e foi estabelecida há milhares de anos. Com o tempo, a evolução da medicina proporcionou que o atendimento fosse cada vez mais minucioso e os procedimentos cada vez mais complexos. Mas, também, não é de hoje que as pessoas decidem se automedicar ou autodiagnosticar, sem o auxílio de qualquer profissional. No Brasil, por exemplo, segundo o Instituto de Ciência Tecnologia e Qualidade (ICTQ), quase 80% das pessoas com mais de 16 anos têm o costume de se automedicar. É a partir de dados como este e da inovação na área da Saúde que empresas constroem pontes entre pacientes e especialistas, ainda que de forma remota. E também é neste cenário que surgem e crescem as healthtechs – empresas com foco em Saúde que oferecem produtos e soluções com alta tecnologia. 

Apesar do país ter quase 400 mil médicos, a maior parte dos atendimentos clínicos e urgências e emergências estão localizados em grandes cidades e capitais. Quase metade da população do país precisa atravessar muitos quilômetros até ter acesso a atendimento médico. A telessaúde e a telemedicina chegam para democratizar o atendimento clínico e, muitas vezes, a atuação a distância é essencial para salvar vidas. 

Integrar e analisar dados é revolucionário

Você já deve ter vivido a experiência ou acompanhado algum paciente internado em um hospital. É comum que todos os procedimentos realizados sejam anotados de forma manuscrita em uma prancheta. Essa forma de registrar a medicação, os exames e outros dados do paciente aumenta os riscos de erros médicos. Também é comum que, em uma consulta, o médico precise pedir sempre novos exames ao paciente, pois, muitas vezes, não existe um histórico ou uma nuvem que reúna os dados de cada um. Mas isso está mudando. 

A health.D – startup que visa promover saúde e engajar pessoas em hábitos mais saudáveis a partir da integração de dispositivos (IoT) e wearables, tecnologias emergentes como Data Science e IA e conceitos de gamificação – é um dos exemplos de empresas que chegam para mudar esses cenários. Uma das mudanças mais positivas que as healthtechs trazem é a de integrar dados da saúde de cada usuário com elementos do dia a dia. Afinal, o que seu relógio pode dizer sobre você?

Uma Saúde mais integrada para uma sociedade conectada

Todos os dias, deixamos rastros no mundo digital que podem se transformar em informações inteligentes para nossa saúde. O café que você pede pelo aplicativo, o número de quilômetros que caminhou em uma semana e, até mesmo, o tempo que passa no celular: o que os especialistas podem dizer sobre isso?

Em nossa rotina, já introduzimos internet banking para cuidar das finanças, redes sociais para nos comunicarmos com amigos e família, aplicativos que nos dizem o quanto de água devemos beber por dia. O que mais a tecnologia pode fazer em relação a nossa saúde? E ainda, o que o segmento da Saúde pode realizar a partir de um olhar mais conectado, mais direcionado ao cotidiano das pessoas? 

Se por muito tempo ir ao médico realizar um check-up era um evento anual, agora a união de dados da Saúde com gadgets do dia a dia faz com que o cuidado com o bem-estar seja diário. 

A forma como lidamos com dados se transformou. E a forma de cuidar da saúde também.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *