6 questões que você precisa se perguntar para fazer a Transformação Cultural na sua empresa

No mundo guiado por disrupções e mudanças, empresas de todos os setores têm se deparado com cenários complexos e ambíguos de negócios, que dependem de múltiplas variáveis e que se alteram ao longo do tempo. Sendo para isso, utilizado o termo “VUCA” para ilustrar essa complexidade do ambiente de negócios. 

Isso tem demandado das empresas uma atenção especial para o seu próprio processo de transformação, sendo tema de diversos eventos de executivos voltados a liderança e gestão, por se preocuparem em se preparar a estes novos tempos.

A transformação cultural se faz presente como uma exigência desse processo de mudanças, e executivos de negócios ficam em dúvida. Por isso, aqui está 6 questões que executivos costumam perguntar para fazer transformação cultura na sua empresa: 

1) O que posso fazer para manter minha empresa competitiva?  

Um dos fatores que contribui para a competitividade de uma empresa, é o quão rápido ela se move no sentido de aproveitar cada oportunidade que surge e conseguir um diferencial em virtude disso.

Velocidade é essencial, num cenário onde um novo concorrente pode surgir a qualquer momento e criar disrupção de todo um setor. 

2) O que é necessário fazer nesse caso? 

Conseguir tornar sua empresa flexível e capaz de mobilizar todas as áreas da empresa para responder em tempo hábil aos desafios e oportunidades. 

Adaptabilidade é um diferencial competitivo que é obtido através do aumento da resiliência da organização, de se adequar às circunstâncias do mercado e antecipar tendências. 

3) E como posso fazer isso? 

Ser capaz de comunicar a estratégia para todos da sua empresa e trabalhar para que o alinhamento de objetivos de todas as áreas ocorra, exige que todos trabalhem de maneira conjunta de forma convergente. 

Sinergia é um atributo importante para que ocorra o alinhamento estratégico de todas as áreas da empresa. E para isso, a estratégia precisa ser desdobrada em planos de ação, nos níveis tático e operacional, e ser atualizada de forma periódica para se tornar responsiva e flexível às mudanças. 

4) Como faço todos trabalharem em busca dos mesmos objetivos?  

Estimular as interações entre as áreas e a troca de conhecimentos, facilita o processo de atingir os objetivos estabelecidos, enquanto promove um ambiente de integração e senso de pertencimento.  

Engajamento é importante fator de produtividade e evita a formação de silos de informação em cada área da empresa.   

5) Como faço para melhorar a organização do fluxo de trabalho da minha empresa para atingir os objetivos estabelecidos?  

A estruturação das equipes, no formato de squads, facilita o fluxo colaborativo da organização e permite que se produzam mais entregáveis com menos recursos e em menor tempo.  

Times ágeis trabalham em ciclos de experimentação com o uso de metodologias ágeis, sendo elásticos em sua essência, podendo atender demandas que times internos de TI não conseguem. Enquanto isso, promovem a agregação de valor para o seu negócio e fornecem a base para uma cultura de inovação. 

6) Como faço para tornar minha organização mais inovadora? 

Procurando criar um ambiente que propicie o desenvolvimento de uma cultura flexível e aberta à experimentação, que promova a colaboração e o livre fluxo de informações, utilizando de ciclos de experimentação, baseados em metodologias ágeis e centrados em dados. 

Experimentação de novas ideias é o resultado desse processo virtuoso, que uma vez estabelecido, gera conhecimento para a organização em insights acionáveis e promove a agregação de valor para o seu negócio. 


Uma cultura que se renove, onde as pessoas se sentem empoderadas e incluídas, é o fator de diferenciação num mercado competitivo e capaz de transformar uma organização, despertando o sentimento de fazer a diferença. 

Todos esses fatores são potencializados pela adoção de metodologias ágeis em ciclos de experimentação, resultando em menor prazo para tirar um projeto do papel e o colocar no mercado, gerando ganhos de competitividade perenes.


Artigo escrito pelo consultor Renato Azevedo Sant Anna.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *