Categorias me nu
X

categorias

X
TI de alta performance: como usar design thinking como aliado?
Home / Categorias / Gestão e Negócios

TI de alta performance: como usar design thinking como aliado?

por FCamara | 15 de dezembro de 2016 | Gestão e Negócios

O design tem sido um forte aliado da inovação já há alguns anos. Mais recentemente, entretanto, o conceito de design thinking chegou ao Brasil e tem revolucionado a forma como projetos de TI podem ser elaborados a partir de uma ideia de empatia e colaboratividade.

Após apresentar êxito em diversos países ao ser aplicado a diferentes contextos, como projetos de produtos e serviços, o design thinking passou a ser aplicado ao cenário de TI, sendo uma das soluções da área para alcançar resultados inovadores.

O que é design thinking?

Inicialmente, é necessário compreender do que se trata o design thinking. O conceito pode ser explicado como uma abordagem que busca a inovação por meio da interação entre as diferentes pessoas envolvidas, busca-se, assim, integrar as necessidades do consumidor final (o usuário no caso de TI), as possibilidades tecnológicas e um plano de negócios de sucesso.

O design thinking é, dessa forma, constituído por algumas características importantes. São elas:

  • Foco no usuário: o usuário final tem grande participação no processo de construção do projeto, sendo que a abordagem visa atender as necessidades desse público, por meio da interação e da construção conjunta;
  • Processo interativo: a evolução do projeto está relacionada diretamente com a aprendizagem, mudanças, otimizações e testes com ajuda dos usuários;
  • Exposição de ideias: por se tratar de uma abordagem colaborativa, todos os envolvidos apresentam ideias para que o resultado final possa contemplar o máximo possível de demandas;
  • Prototipagem: a experimentação é parte natural do processo de criação, sendo possível que vários protótipos sejam criados e testados antes de se chegar ao modelo mais adequado.

Na área de TI, o produto a ser construído pode se tratar de um site, aplicativo, software ou game, sendo que nesses casos o usuário final, além do cliente, também participa do processo colaborativo para que o resultado esteja mais alinhado ao esperado pelo público que, de fato, utilizará aquele recurso.

Como aplicar o design thinking na área TI?

Ao ser aplicado na área de TI, o design thinking permite que haja, antecipadamente, uma resolução de problemas relacionados a usabilidade, por exemplo, mas também permite uma redução dos custos, visto que diminui as chances de problemas serem identificados apenas após o software pronto.

Ao adotar a abordagem nessa área, ela continua seguindo uma série de etapas que garantem que todos os interessados possam participar ativamente do processo, além de viabilizar o conhecimento em profundidade do projeto. São elas:

Definição do projeto

O primeiro passo para a execução de um projeto com a abordagem design thinking é definir quais os problemas devem ser solucionados com a proposta e considerar todos os envolvidos, colaboradores, clientes, usuários, etc.

Nessa etapa, devem ser levantadas todas as necessidades que serão atendidas com o projeto, levando em consideração não apenas a visão dos profissionais envolvidos, como também dos usuários que podem relatar quais as expectativas e ideias deles para a solução.

Investigação

Na etapa de investigação, os desenvolvedores devem buscar a empatia de todos os envolvidos. Para tal, é necessário que se coloquem no lugar do usuário final, refletindo em como seria o uso da solução na prática, os desafios, as limitações, como pode atender as necessidades, entre outras situações.

Para que seja possível essa empatia com o usuário, é importante que haja uma definição muito clara de quem é o público que será atingido pela solução.

Nessa etapa, a usabilidade e aplicações cotidianas da solução devem ser pensadas pelo time de desenvolvimento, sendo que em TI, as determinações dessa fase serão fundamentais para o resultado final que será obtido.

Idealização

Após ponderadas as informações coletadas nas duas primeiras etapas, chega a fase conhecida como brainstorm, que consiste na coleta das diversas ideias surgidas após as primeiras informações sobre o projeto.

Devem ser coletadas informações de todos os envolvidos, com foco nas considerações dos clientes e usuários. Após todas as ideias serem registradas, é necessário filtrá-las para que seja possível montar um modelo de negócio executável.

Prototipagem

Nessa etapa é desenvolvido o primeiro protótipo do projeto visando atender as demandas mínimas desejadas pelo cliente. Chama-se o resultado dessa fase de produto mínimo viável (PMV) e, assim, inicia-se a fase de testes, para verificar se o modelo atende as exigências apresentadas pelos diferentes envolvidos.

Uma vez que o design thinking é elaborado pensando no usuário, esse público deve participar dos testes para que seja possível apontar melhorias e otimizações possíveis. O protótipo permite testes de usabilidade mais eficientes para que se chegue ao resultado final com mais assertividade.

Medição

Para que o resultado possa ser avaliado, é necessário que se saiba como e o que avaliar. Nessa etapa, são pensadas quais as métricas que são mais relevantes para medir o desempenho do resultado oferecido.

Assim como nas demais etapas, as métricas devem levar em consideração a opinião de todos os envolvidos.

Aprendizagem

Toda a abordagem de design thinking é construída visando o aprendizado de todas as partes envolvidas. A última etapa é voltada justamente para a consolidação desse objetivo.

Na etapa de aprendizagem, os resultados obtidos na etapa de medição devem ser analisados para verificar-se se foi satisfatório ou não. Todas os envolvidos devem participar dessa etapa e nomear quais os aprendizados foram possíveis no processo de desenvolvimento do projeto.

Caso o projeto não atenda a todas as demandas citadas inicialmente, colaborativamente são pensadas as soluções específicas, facilitando que sejam feitas alterações, caso necessário.

O design thinking tem oferecido novas soluções em um momento de inovação constante e que o diferencial nem sempre se encontra nas bancadas de especialistas, mas a partir da construção colaborativa dos vários envolvidos em uma solução.

Valorizando a participação do usuário no processo de desenvolvimento dos projetos, as equipes de TI tem a oportunidade de elaborar soluções mais eficientes e alinhadas com as expectativas do usuário final, aumentando o grau de aprendizagem na execução de projetos da área, e resultando em alta performance das equipes.

Gostou da proposta do design thinking e quer adotar a abordagem para os projetos realizados pela sua empresa? Entre em contato com a gente e fale com um de nossos especialistas!

Comentários

inscreva-se

Fique por dentro das últimas notícias e novidades do Grupo FCamara e do nosso time #SANGUELARANJA