“Era apenas mais um trabalho e um local para ganhar experiência”. Dessa forma que Paula Araújo, hoje líder em Recrutamento e Seleção da FCamara, define o início da sua trajetória de crescimento de carreira na empresa.

Essa história começou em 2013 — e por pouco seu destino profissional poderia ter sido diferente. Na mesma época ela também foi escolhida para uma vaga de analista júnior em uma grande consultoria de tecnologia e quase aceitou a proposta pelo cargo e pelo salário ser melhor.

Mas os primeiros encontros de coaching promovidos por Fabio Camara, sócio-fundador da FCamara, a fizeram mudar de ideia e acreditar na possibilidade de que continuar nessa empresa como assistente de Recrutamento e Seleção seria a melhor decisão, mesmo na época ela não compreendendo o porquê, apenas seguiu sua intuição.

“Eu não tinha ambição, pensava pequeno e a partir do momento que comecei a fazer as sessões de coaching, percebi que precisava evoluir muito e que a FCamara era o lugar certo para aprender. Por meio do coaching eu tive feedbacks que me fizeram refletir e me possibilitaram evoluir como profissional e pessoa”, conta.

Paula foi se aperfeiçoando e aos poucos foi subindo degraus: de assistente de Recrutamento e Seleção para analista júnior, pleno e sênior até chegar a líder, promoção conquistada em junho de 2018.

“Descobri a minha paixão por pessoas e por ver por meio do meu trabalho a satisfação de um candidato, de um cliente. Aqui adquiri conhecimentos técnicos para selecionar profissionais de TI, aprendi a ter inteligência emocional, assertividade, capacidade de relação, competitividade, adaptação e auto responsabilização”, explica.

É dela e do seu time de 3 pessoas a importante missão de encontrar e selecionar talentos que acreditem no culture code da empresa para ingressarem no high performance team da FCamara. “Por ser insegura, diante de um desafio, meu primeiro pensamento era de que não era capaz, mas hoje eu encaro de uma outra forma. Sei que ainda há muito a aprender e ser feito, mas estou preparada”, confessa.

Paulinha (maneira como é conhecida na empresa, mesmo com seus quase 1,80m de altura) sabe que terá ajuda quando for necessário. Seja em novas sessões de coaching com outros líderes ou até mesmo com o presidente da empresa; os mais diversos tipos de conhecimento estão à disposição.

E é esse ambiente de trabalho aberto e disruptivo que a motiva a se superar a cada dia. “É uma atmosfera descontraída com um culture code que permite autonomia e espaço para execução do trabalho, além de promover e motivar a evolução pessoal e profissional”, explica.

 

Por ter uma cultura horizontal e ter a oportunidade de expor suas ideias e sugestões, seu perfil proativo aflorou. O resultado foi a liderança de iniciativas em áreas diferentes da de Recursos Humanos, que incluem ações de Endomarketing e a organização da festa de final de ano da FCamara, por exemplo.

Trabalhar na FCamara não foi um fator transformador apenas na vida profissional, mas também na vida pessoal. Quando Paula Araújo ingressou na empresa, morava com os tios e nunca tinha viajado para o exterior: mesmo tendo trabalhado por três anos em uma companhia hoteleira americana que oferecia anualmente férias gratuitas para qualquer hotel da rede no mundo.

Hoje a situação mudou completamente: Paulinha mora em um apartamento que sempre sonhou e viajou para os EUA sozinha mesmo sem saber falar inglês.

“Como seria se eu tivesse escolhido a outra empresa? Não sei responder, é impossível prever. Mas aqui na FCamara meus planos são ambiciosos. Quero me tornar sócia do Fabio Camara”.

E se ontem Paula foi tocada pelo coaching do Fabio Camara, hoje é a vez dela inspirar a transformar vidas. Seja de maneira informal para pessoas próximas que ela percebe potencial e que demostrem abertura ou formalmente para seu time, como uma das competências na posição atual de liderança.

Comentários